Intoxicações Agudas num Serviço de Medicina Intensiva: Anos 2002 a 2014

Autores

  • Rogério Ferreira Serviço de Medicina Interna A, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Coimbra, Portugal
  • Bernardo Cunha Serviço de Medicina Interna A, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Coimbra, Portugal
  • Diana M. Ferreira Serviço de Medicina Interna A, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Coimbra, Portugal
  • Nuno Devesa Serviço de Medicina Intensiva, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Coimbra, Portugal
  • Jorge Pimentel Serviço de Medicina Intensiva, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Coimbra, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi.818

Palavras-chave:

Intoxicação, Intoxicação Alcoólica, Pesticidas/ intoxicação, Unidade de Cuidados Intensivos

Resumo

internamentos em Serviços de Medicina Intensiva (SMI), devido
à facilidade de aquisição de tóxicos. A literatura é, contudo, escassa.
Este estudo tem como objetivo fazer a caracterização dos
internamentos por intoxicação aguda num SMI e sua evolução.
Material e métodos: Análise retrospetiva descritiva e inferencial,
dos doentes internados de janeiro de 2002 a dezembro de
2014, no SMI dos Hospitais da Universidade de Coimbra, considerando:
idade, sexo, tempo de internamento, intencionalidade,
tóxico subjacente, tempo de ventilação mecânica, mortalidade
e antecedentes de intoxicação ou patologia psiquiátrica. Obtiveram-
se os dados através da base de codificação do SMI. A
avaliação estatística realizou-se com o programa SPSS Statistics
versão 20.0®.
Resultados: Os 234 doentes identificados apresentavam idades
compreendidas entre os 13 e os 83 anos (média 50,79 anos
±16,99), sendo 55,98% do sexo masculino. Em 88,90% dos casos
as intoxicações foram voluntárias, não se identificando diferença
estatisticamente significativa entre géneros. Verificou-se
uma relação estatisticamente significativa entre o género feminino
e a história prévia de intoxicação, p = 0,014. O agente tóxico
foi muito variável, sendo mais frequente a intoxicação exclusiva
com fármacos (35,04%), mas 19,66% dos doentes utilizou mais
de um grupo de tóxicos. A duração do internamento, duração
da ventilação mecânica e score de APACHE II apresentaram
diferenças estatisticamente significativas quando comparadas
as intoxicações por pesticidas, fármacos ou álcool (p < 0,001).
Discussão: Os resultados obtidos são concordantes com resultados
prévios e dados de outros autores, considerando a diminuição
gradual de intoxicações por pesticidas. Globalmente, a
taxa de mortalidade foi inferior à média geral dos internamentos
no SMI, com pior pronóstico nas intoxicações por pesticidas.
Conclusão: A experiência já existente no tratamento destes
doentes tem permitido otimizar terapêuticas e melhorar o prognóstico.
Contudo ainda não é possível identificar um perfil psicológico
do doente com maior risco de mortalidade decorrente da
intoxicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Mokhlesi B, Leiken JB, Murray P, Corbridge TC. Adult toxicology in critical care. Part I: General approach to the intoxicated patient. Chest. 2003; 123: 577–92.

Mokhlesi B, Leiken JB, Murray P, Corbridge TC. Adult toxicology in critical care. Part II: Specific poisonings. Chest. 2003; 123: 897-922.

Krenzelok EP. New developments in the therapy of intoxications. Toxicol Lett. 2002; 127: 299–305.

Almeida e Sousa JP, Casanova P, Fernandes V, Baptista JP, Martins, P, Simões A, et al. Intoxicações agudas no Serviço de Medicina Intensiva

dos Hospitais da Universidade de Coimbra – Dados epidemiológicos. Psiquiatr Clín. 2006; 27: 265-73.

Lam SM, Chun-Wing Lau A, Yan WW. Over 8 years experience on severe acute poisoning requiring intensive care in Hong Kong, China. Hum Exp Toxicol. 2010; 29: 757–65.

Palazón Sánchez C, Segura Pérez J, Renedo Villaroya A, Palazón Sánchez EL, Pardo Talavera JC, Felices Abad F. Severe acute intoxications

treated in an intensive care unit over a twelve-year period (1986–1997). Rev Esp Salud Publica. 2000; 74: 55-63.

Müller D, Desel H. Common Causes of Poisoning: Etiology, Diagnosis and Treatment. Dtsch Arztebl Int. 2013; 110: 690−700.

Topcu I, Dündar ZD, Köylü R, Gönen O, Mutlu H, Akıllı NB, et al. Retrospective clinical evaluation of intoxication cases requiring critical care

treatment. Anestezi Dergisi. 2005; 13: 270–4.

Ficheiros Adicionais

Publicado

30-09-2016

Como Citar

1.
Ferreira R, Cunha B, M. Ferreira D, Devesa N, Pimentel J. Intoxicações Agudas num Serviço de Medicina Intensiva: Anos 2002 a 2014. RPMI [Internet]. 30 de Setembro de 2016 [citado 11 de Dezembro de 2023];23(3):30-7. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/818

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>